Whatsapp 13 99208-1607 | Mail: dpantunes@danielpenteado.com.br



Começa a legalização da Capoeira Regional


Em 1937, Mestre Bimba consegue registrar a sua escola de Capoeira na Secretaria de Educação, Saúde e Assistência Pública. Em 1938 faz uma apresentação para o General Aleixo Pinto. Numa oportunidade, o ex-governador Lomato Júnior era seu aluno no CPOR da Bahia, onde deu aulas por três anos no Forte do Barbalho.

Em 1949 vaio a São Paulo e lá seus alunos realizam uma série de lutas contra lutadores de outras modalidades, vencendo a maioria delas por nocaute. Um jornal da época publicou: "Clarindo derrotou Godofredo no 3° assalto" e continua: "Na luta final da noitada, Clarindo, que vem fazendo alarde de suas qualidades capoeirísticas, derrotou Godofredo (luta livre) no 3° assalto por nocaute, com um "rabo de arraia", que atingiu com precisão a nuca do contendor que desmaiou".

Em 23 de julho de 1953, quando fez uma apresentação no palácio, para o então Presidente Getúlio Vargas, ouviu deste o seguinte: "A Capoeira é o único esporte verdadeiramente nacional". O Mestre Bimba torna-se assim o primeiro capoeirista a ser recebido em um palácio, pelo Presidente, e a exibir-se para os convidados do governo.

O Mestre conta que certa feita, na década de 30, apareceu em sua "Academia" um funcionário do Governo e entregou-lhe um ofício, convidando-o a comparecer no palácio. Pensou que seria preso, pois a Capoeira ainda era considerada coisa das pessoas de classe baixa, de marginais. Disse então aos alunos que se não voltasse, que continuassem lutando pela Capoeira, e olhassem por sua família. Ao chegar no palácio, tamanha foi sua surpresa, o Governador/Interventor Juracy Magalhães queria apenas que Bimba e seus alunos se exibissem em seu palácio para seus convidados. O Mestre foi e deu seu "recado", sendo bastante aplaudido no final, e deixando assim a Capoeira de ser mal vista pela polícia e pelo povo.

Em 7 de fevereiro de 1955, Bimba e seus alunos apresentam-se em Fortaleza, Ceará, mostrando no Teatro José de Alencar a sua Capoeira, em um show denominado: "Uma noite na Bahia". O jornal "O Povo" publicou: "Exibição de capoeiristas, hoje no José de Alencar".

Em 1956 faz 3 apresentações em São Paulo na festa da TV Record, patrocinada pelos Cronistas Sociais. Ainda em 1956, segue para o Rio de Janeiro e no dia 19 de julho apresenta-se no BI. No dia 23 leva seus alunos ao Maracanãnzinho e participa do "Festival de Ritmos e Capoeira" com o público vibrando intensamente e "querendo ver sangue" como noticiou o jornal "Tribuna da Imprensa".

Em 1968 vai a Teófilo Otoni, em Minas Gerais, e apresenta-se no dia 27 de julho no Cine Metrópole e no dia 28 na 5° Exposição Pecuária da cidade sendo aplaudido por quase 3 mil pessoas.

Em 7 de setembro de 1969 o Mestre Bimba comemora, no Nordeste de Amaralina, rua Sítio Caruano, onde ele possuía uma academia só para suas festas e apresentações, além dos treinos aos domingos, seus 50 anos de ensino da Capoeira Regional. A festa foi bastante emocionante, comparecendo velhos e novos alunos e o Mestre no final, jogou um pouco de Capoeira com seus alunos mais "chegados".

Ainda em 1968, no dia 26 de agosto, foi convidado para participar do "I Simpósio Brasileiro de Capoeira", realizado no Rio de Janeiro. Não vai, porém manda o Dr. Angelo Augusto Decânio Filho (um aluno formado), como seu representante. No dia 18 de agosto do mesmo ano, a convite da Faculdade de Filosofia de Vitória - ES, apresenta-se no Ginásio do SESC. No dia 28 do mesmo mês, apresenta-se na Escola de Música na Semana do Folclore, em Salvador, onde foi com seus alunos para participar de debates com folcloristas baianos, provando sua tese de que a Capoeira Regional também era folclore. Em 18 de outubro de 1968 apresenta-se no Cajazeira Country Club, de Salvador, e no dia 23 de dezembro no Clube dos Engenheiros de Mataripe.

Em 1971 vai a São Paulo a convite de Airton Moura (Onça), para ser homenageado pelos capoeiristas paulistas e receber o título de Presidente de Honra da Associação K-Poeira. Ainda em 1971, recebe convite para ir a Goiânia realizar um exame de alunos de Oswaldo Souza. Vai e fica empolgado com o tratamento recebido do povo e das autoridades locais.

O Mestre foi e apresentou-se na Expo-Goiás 71. Na sua volta, falou muito de como tinha sido tratado em Goiânia, pelo prefeito e pelo governador, que inclusive o recebeu no palácio. Era a terceira vez em sua vida que tal fato acontecia, e tocou profundamente no Mestre. Mais empolgado ficou, quando soube que o Presidente Médici o tinha assistido e gostado muito. Convidado para ensinar a sua Capoeira em Goiânia não faltaram. Promessas também não, disseram que teriam uma escola só para ele já com vários alunos matriculados, que lhe dariam casas para a sua família, que seus filhos estudariam em colégios bons, que ele, o Mestre, seria professor de Educação Física e Capoeira na Universidade Federal de Goiânia. Bimba estava empolgado, o apoio que sempre lhe faltou na Bahia, o reconhecimento que sempre esperou para a sua arte, parecia ter chegado com este convite. O professor Oswaldo chegou a Salvador e ultimou os detalhes da ida de Bimba para Goiânia.

Na época, Oswaldo falou ao Mestre que já tinha comprado as casas para suas famílias e que as mesmas já estavam mobiliadas, que tinha, inclusive, vendido o seu carro para cobrir as despesas. Tudo um verdadeiro "papo furado"! Quando o Mestre chegou em Goiânia, Oswaldo aproveitou para tomar algumas aulas de Capoeira com o Mestre, pois a que ensinava em Goiânia era altamente deficiente, como os alunos e o Mestre notaram. O Mestre começou a vender todos os seus bens; casas no Nordeste de Amaralina e no Alto da Santa Cruz (quatro ao todo), a sua academia do Nordeste por apenas 18.000,00 pagáveis em prestações mensais de 500,00, das quais, segundo Demerval, seu filho, só recebeu três. A Bahia estava prestes a perder a sua maior expressão folclórica e nada fazia! Bimba, o Mestre, estava indo embora...

No dia 23 de outubro de 1972 apresenta-se na Faculdade de Arquitetura de Salvador, durante a Semana de Cultura Popular, despedindo-se assim dos universitários baianos, que sempre o apoiaram. Nesta oportunidade um orador ia apresentar o Mestre e fazer algumas perguntas a ele. Pediram então aos organizadores que deixassem o Mestre à vontade, que o "soltassem" no palco que ele se encarregaria do "show". O Mestre "assumiu" e foi aquele espetáculo. A platéia vibrava com sua histórias e começou a aplaudi-lo de pé. Se despediu assim dos universitários em grande estilo! Naquele dia, diante de uma platéia exigente e inteligente, o Mestre mostrou o que é aprender com a vida, mostrou porque era aquele líder, aquela figura que os alunos obedeciam sem pestanejar. Mostrou porque era o capoeirista mais respeitado deste país.

O Mestre gravou dois discos. Um produzido por Alexandre Robatto Filho com toques de berimbau, que é inclusive a trilha sonora do filme "Vadiação", de autoria do próprio Robatto, onde aparece o Mestre Bimba e seus alunos, filmado no Cine Teatro Guarani na década de 50; o outro foi produzido pela J.S. Discos com o título "Curso de Capoeira Regional Mestre Bimba", que trazia uma livreto com aulas de Capoeira.

Fonte: Wikipédia



Galeria Fundação Arte e Vida Capoeira

1 2 3 4


Volta ao Topo



Comentários e Sugestões

foxyform
Pesquisar No Site